publicado por nanotech | Terça-feira, 01 Junho , 2010, 19:56


Mestrado em Biofísica e Bionanossistemas (MBBNs) - Curso Novo 2010/2011

 

 

Informam-se todos os interessados que as candidaturas para o MBBNs, da Escola de Ciências da Universidade do Minho (Braga), decorrem entre 24 de Maio e 15 de Junho. Nesta primeira fase de candidaturas serão disponibilizadas as 30 vagas previstas para o curso.

 

Este curso de Mestrado, focado nas áreas da Biofísica com Aplicações em Nanotecnologia, foi recentemente acreditado pela Agência de Acreditação A3Es.

 

Para informações sobre o processo de candidatura, visite o link: http://www.uminho.pt/Default.aspx?tabindex=9&tabid=8&lang=pt-PT&pageid=1343

 

OBJECTIVOS

 

Numa lógica de forte interdisciplinaridade entre as áreas do saber da Física e da Biologia, o curso de Mestrado em Biofísica e Bionanossistemas tem por objectivo dotar os estudantes de um profundo conhecimento na Física dos sistemas biológicos e dos seus constituintes moleculares, em particular:

- Proporcionar formação avançada de elevada qualidade em Biofísica de bionanossistemas;

- Proporcionar um ambiente científico estimulante em projectos de investigação de reconhecida qualidade, facilitador da aprendizagem, da troca de ideias e do empreendedorismo;

- Preparar adequadamente os candidatos para uma carreira de investigaçãoem Biofísica, no país e no estrangeiro;

- Fomentar a integração no mercado de trabalho, em empresas de base tecnológica e em centros de investigação.

 

 

COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR

 

- Empreendedorismo para novos projectos na área dos Bionanossistemas;

- Implementação e utilização de técnicas de caracterização avançada de Bionanossistemas;

- Capacidade de integração em equipas interdisciplinares de investigação  e desenvolvimento (I&D) na área de Biofísica e dos Bionanossistemas;

- Desenvolvimento de novos bionanossistemas para aplicações específicas respondendo ao interesse de empresas e consórcios de investigação, nomeadamente nas áreas de Nanomedicina e Bionanomateriais.

- Desenvolvimento de novas áreas tecnológicas na interface da Física com a Biologia.

 

 

Para informações sobre outros cursos visite o link: http://www.ecum.uminho.pt/.

Informações adicionais podem ser obtidas no link: http://www.fisica.uminho.pt/Default.aspx?tabid=7&pageid=331&lang=pt-PT

 

Para qualquer esclarecimento específico, poderá contactar a secretaria do Departamento de Fisica, através do e-mail mestrado@fisica.uminho.pt ou tsantos@fisica.uminho.pt

 

 

A Directora do Curso do Mestrado em Bionanossistemas

 

Maria Elisabete C.D. Real Oliveira

Prof. Assoc.  c/ Agreg. /Assoc. Prof. with Habilitation

Departamento de Física/ Physics Department

Escola de Ciências/School of Science

Universidade do Minho/University of Minho
4700 Braga - Portugal
Tel: 351-253 604325
E-mail: beta@fisica.uminho.pt

 

 


publicado por nanotech | Domingo, 25 Abril , 2010, 17:34

Espaço, que tem 200 m2 e custou R$ 1 milhão, fabricará medicamentos para tratar câncer de pele com aplicação de laser

 

O Centro de Nanotecnologia e Engenharia Tecidual Aplicado à Saúde, instalado dentro do câmpus da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto, já está produzindo desde 1.º de março, embora ainda não tenha sido inaugurado oficialmente.

 

Num espaço de 200 metros quadrados, que custou R$ 1 milhão (entre construção e equipamentos), são produzidos medicamentos nanoestruturados (fármacos fotoativos) para o tratamento de câncer de pele com aplicação de laser, além de pele artificial usada para corrigir cicatrizações, queimaduras e perdas da camada em acidentes. E existem outras pesquisas em andamento e uma parceria com a marca francesa Dior está em negociação para produzir cosméticos voltados ao rejuvenescimento.

O coordenador do centro e professor do Departamento de Química, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, Antonio Claudio Tedesco, destaca que os medicamentos nanoestruturados já estão sendo distribuídos para a população de baixa renda em três centros ambulatoriais do País: o Hospital das Clínicas (HC) de Ribeirão Preto e as instituições de saúde da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidade de Brasília (UnB). Ainda no primeiro semestre serão incluídos dois outros centros: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e um de Campo Grande (MS). A meta é chegar a 12 centros ambulatoriais até o fim deste ano.

Os pesquisadores desenvolvem medicamentos com outros princípios ativos, além dos fotoativos. Com a nanotecnologia, os velhos fármacos, com nova roupagem, atingem alvos específicos, com menos efeitos colaterais aos pacientes. A produção de pele tridimensional em laboratório (artificial) será em larga escala. A distribuição desse material não ocorre pelo Sistema Únicos de Saúde (SUS), mas por convênios de pesquisas entre a USP e centros interessados, com custos bancados por agências de fomento à pesquisa. Porém, a meta é fazer convênio com o Ministério da Saúde para subsidiar a distribuição.

O centro está desenvolvendo, em parceria com a Unifesp, estudos de fármacos nanoestruturados para o tratamento de doenças que atingem o sistema nervoso central, como Alzheimer, Parkinson e glioma (câncer cerebral). "Esses estudos estão na fase animal e os fármacos desenvolvidos são inseridos dentro do cérebro, permeando a barreira neuroencefálica", diz Tedesco.

 

fonte: O Estado de S. Paulo 

 http://www.estadao.com.br/


publicado por nanotech | Segunda-feira, 04 Janeiro , 2010, 20:06

 

Exposição a nanopartículas de prata prejudica organismo

A exposição a nanopartículas de prata, usadas em diversas aplicações tecnológicas e militares, compromete a produção de energia pelas células do organismo, podendo afectar a função hepática, conclui um estudo realizado por cientistas portugueses.

O estudo foi desenvolvido por três investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) para o US Air Force Office of Scientific Research, através do European Office of Aerospace Research and Development - EOARD, que faz a ligação entre a comunidade científica e a Força Aérea, a nível mundial.

As nanopartículas são produzidas artificialmente e largamente usadas, há vários anos, em diferentes campos de aplicação.

A investigação veio demonstrar que as nanopartículas de prata se acumulam no interior das células do organismo, afectando a capacidade da motocôndria de exercer a sua função de "fábrica" de energia.

"O estudo serviu de alerta sobre a utilização destas nanopartículas e para a necessidade de algum cuidado no seu uso e manuseamento", disse hoje à Lusa o coordenador da investigação, Carlos Palmeira, do Departamento Ciências da Vida da FCTUC.

Simultaneamente, alertou o espeiclaista, os efeitos nocivos podem não resultar obrigatoriamente de um contacto prolongado com as nanopartículas de prata, mas apenas de uma "exposição de curto prazo".

Os investigadores portugueses recomendaram a realização de "novos estudos para efectuar o controlo da evolução da toxicidade destes nanocompostos, com vista à elaboração de planos de monitorização e adopção de medidas de prevenção activas", refere uma nota hoje divulgada pela FCTUC.

O estudo demorou um ano a ser realizado e foi concluído em 2008, mas só agora os investigadores obtiveram autorização para divulgarem os resultados, estando a ser negociada uma nova etapa da investigação.

 

fonte: lusa

 

http://dn.sapo.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1441167

 

 


mais sobre mim
Julho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO